“O que me inspira para escrever livros são a vida e as emoções”

ana silvestre

Ana Silvestre é uma escritora que já conta um quatro obras publicadas e uma verdadeira legião de fãs. Quisemos saber o que a faz escrever livros e de que forma é que isso a ajuda a transmitir os seus próprios sentimentos e emoções aos leitores.

Como é que a escrita entrou na tua vida e como é que começaste a escrever livros?

A escrita entrou na minha vida depois da leitura. Os livros sempre exerceram um enorme fascínio sobre mim. Em criança lia muito e comecei por tentar escrever pequenos livros num caderno que depois dava à família para ler. Mas embora todos me elogiassem, nunca terminei nenhum. À medida que fui crescendo, o interesse pelos livros foi amadurecendo, mas eu queria era ler. Por volta dos 34 ou 35 anos, escrevi o miolo do meu primeiro livro «Eu sabia, estava escrito», que guardei numa pasta no computador. Na altura trabalhava no jornal «O Independente», onde era responsável pelos Recursos Humanos e escrevia durante a hora de almoço. Eu não sei o que é que eu esperava para continuar o livro, para terminá-lo, mas sabia que esperava um clique e ele deu-se em 2012 ao saber que a minha mãe tinha um cancro ao qual dificilmente sobreviveria. Ela descobriu o cancro em abril e nesse verão rescrevi o livro e acrescentei aquilo que lhe faltava, porque queria que a minha mãe soubesse, antes de morrer, que a filha tinha conseguido escrever um livro e assim veio a acontecer. Em outubro de 2013 foi publicado o meu primeiro livro e a minha mãe ainda estava viva. Quando lancei o segundo em 2015, já tinha morrido.

Continuar a ler