“Já tenho outras aventuras escritas e prontas a irromper”

Catarina Abreu é a autora da série juvenil “Os caçadores de mistérios”, que teve o seu primeiro volume publicado pela Capital Books, em maio. Satisfeita com a receção dos seus leitores, a autora prepara já mais dois volumes desta série, que narrarão as aventuras dos intrépidos jovens que as protagonizam nas cidades de Leiria e Rio Maior.

Catarina Abreu

Publicaste o teu primeiro livro recentemente, como tem sido a reação dos leitores?

Muito boa. Quer miúdos, quer graúdos, todos seguem o enredo com entusiasmo e acham graça às particularidades, humor e curiosidades que surgem no meio da história. Alguns falam-me das personagens como se as tivessem mesmo conhecido e lidado com elas, o que para mim é uma grande satisfação porque significa que são verosímeis e que a história atrai o leitor. Penso que esse é o melhor elogio que um escritor pode ter.

“Os caçadores de mistérios” são destinados a um público juvenil. Porque escolheste escrever para este público?

Prefiro escrever para os mais jovens por duas razões: primeiro porque comecei a escrever aventuras juvenis muito cedo, com 14 ou 15 anos, influenciada pelos muitos livros que então devorava, especialmente da Enid Blyton, e esse bichinho nunca mais me largou; em segundo lugar porque tenho trabalhado com crianças e jovens e estou bastante familiarizada com esse público. Estou constantemente à procura de histórias e atividades interessantes para desenvolver com os meus meninos e as aventuras acabam por me saltar da imaginação como pipocas da panela! Para além desta série de aventuras, também tenho alguns contos destinados aos mais pequeninos, para lerem devagarinho ou pedirem aos pais e irmãos para lhes contarem a história.

Como é que diferencias estes teus “caçadores de mistérios” de todas as outras séries e coleções que já existem para o mesmo segmento?

As minhas aventuras seguem um estilo muito próximo dos livros dos “Cinco” de Enid Blyton, sempre eternos, como quase tudo o que essa autora escrevia, mas adaptados aos tempos modernos. Penso que o que diferencia as minhas aventuras de outras do mesmo género são os detalhes culturais e históricos que se entrelaçam nas histórias que escrevo e que são fruto de muita pesquisa e ainda os valores defendidos pelas personagens principais, nomeadamente o respeito pelas diferenças, o espírito de equipa e a amizade. Procuro fazer algo diferente do que já existe, por isso, apesar de adorar cães, “Os caçadores de mistérios” não têm nenhum, por exemplo. E não resisto a colocar múltiplos salpicos de humor porque sinto que os mais novos adoram isso. Afinal, quem é que não gosta de dar uma boa gargalhada?

matacapa

Ponderas escrever mais volumes para esta série? Que ideias tens em mãos?

Já tenho outras aventuras desta série escritas e muitas mais prontas a irromper. Posso revelar que a segunda aventura se chama “O tesouro do castelo de Leiria” e o terceiro “O roubo da taça árabe”, aventura que se passa na minha cidade, Rio Maior. O quarto livro está relacionado com as novas tecnologias, o uso da internet pelos jovens e questões informáticas, é um caso sobre estranhos roubos de material informático, que se passa em Lisboa, onde os jovens aventureiros vivem.

Vais prosseguir a divulgação do teu trabalho de que forma? Já tens mais sessões de apresentação previstas?

Vou continuar a divulgar este livro e esta série. Já tenho agendadas sessões de leitura e autógrafos em escolas, nomeadamente da minha região, mas irei a vários pontos do país. Também estou a criar uma página no Facebook só para os “Os caçadores de mistérios”, mais que merecida, para divulgar as suas aventuras e também aceitar sugestões e opiniões dos leitores.

Que balanço fazes dos seis primeiros meses de atividade como autora?

Tem sido o realizar de um sonho há muito adiado. Muito gratificante a nível pessoal e também tem sido divertido ver a reação de ex-alunos meus, que desconheciam esta minha vertente. Crianças, pais e professores têm-me dado um feedback positivo, quer pelo conteúdo como pelo ritmo desta primeira história. Contudo, foi o meu primeiro livro publicado, não sou ainda uma autora conhecida. “Os caçadores de mistérios” precisam agora de maior divulgação e distribuição, para chegar áquilo que vulgarmente se chama o grande público.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s